Dourados-MS,
PRINCIPAL OK

As vitórias conquistadas pelo goleiro douradense João Paulo e Dona Neia

Esporte
Fonte
  • Extra-Pequena Pequena Media Grande Extra-Grande
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

No ano passado, após uma atuação histórica diante do Independiente, na Argentina, que garantiu a classificação do Santos para as quartas de final da Copa Sul-Americana, o goleiro douradense João Paulo, revelou a luta da sua mãe, Claudineia, contra um câncer e dedicou a vaga a ela.

“Partida especial para mim, rivalidade de Brasil e Argentina e queria dedicar à minha mãe, que está tratando um câncer. Vamos vencer isto juntos e quero dedicar para ela”, afirmou o goleiro na época.

Mais conhecida como Neia, residente em Dourados, a mãe do goleiro está realizando sessões de quimioterapia e na batalha contra o câncer. Neia falou sobre o desafio que é conviver com a distância do filho.

“Bom, falar do João Paulo é sempre uma emoção e é muito orgulho envolvido. Foram muitas lutas, principalmente com a distância, já que ele saiu de casa tão cedo para ir atrás do seus sonhos e eu sempre apoiei, sempre fui a fã número 1 dele. Adorava quando tinha os campeonatos na cidade e eu o levava, enchia o carro com os meninos e íamos para o jogo. Quando ele saiu de casa pela primeira vez foi muito difícil, era muita saudade, mas nos falávamos todos os dias. Quando ele veio para o Santos foi uma alegria por saber que ele estava jogando no time do coração, assim como quando foi campeão pela Copinha, quando subiu para o profissional, foi tudo emocionante”, conta Neia.

O carinho do santista pelo carinho foi estendido para a sua mãe após a revelação da luta contra o câncer. Dona Neia conta que foram diversas as mensagens de apoio e pedidos de oração dos torcedores

 

“Agora saber que ele é tão querido pelo torcedores, o ídolo que ele está se tornando pela torcida. O carinho da torcida para comigo, quando ficaram sabendo da minha doença, é lindo, as mensagens de apoio e os pedidos de orações. Eu sabia que não poderia deixar a doença me abalar porque se eu estivesse mal meu filhos também iam ficar e eles são tudo que tenho. Então eu tinha que ficar bem por eles e graças a Deus, tudo deu certo, hoje estou bem, sempre que posso estou indo no estádio para prestigiar”, afirmou a mão do goleiro, que acompanha de perto todos as reações dos torcedores em relação ao goleiro.

“Acompanho os comentários da torcida, só elogios e são poucos os que criticam, mas as críticas também são um aprendizado. A primeira vez que fui assistir o jogo, o coração quase não aguentou e naquele jogo que toda a torcida começou a gritar o nome dele ali eu vi o quanto ele era querido pela a torcida”, afirmou.