Dourados-MS,
PRINCIPAL OK

“Confiança na ciência e satisfação de ver toda a família vacinada”, dizem pais ao verem filhos imunizados

Mato Grosso do Sul
Fonte
  • Extra-Pequena Pequena Media Grande Extra-Grande
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Sentimento de dever cumprido e confiança na ciência. Assim os pais definem a sensação que é levar seus filhos de 5 a 11 anos para vacinação contra Covid-19. Muitos comemoram que agora toda família está vacinada e protegida contra o vírus. As crianças também não ficam atrás e disseram que já estavam ansiosas para fazer parte da imunização.

O Governo do Estado sempre defendeu a vacinação das crianças de 5 a 11 anos e quando a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou a imunização, logo publicou Resolução se colocando à disposição para incluir a faixa etária na campanha de vacinação contra a Covid-19.

Já foram enviados dois lotes das vacinas pediátricas para Mato Grosso do Sul que, com logística ágil e eficiente, distribuiu as doses em até seis horas para os 79 municípios do Estado. Em parceria com os municípios, a imunização das crianças segue de forma célere no Estado, assim como ocorreu aos demais públicos.

Na Seleta, um dos pontos de vacinação na Capital, a satisfação e alegria dos pais aos verem seus filhos vacinados era evidente. “Nunca tive dúvidas, logo já fiz o cadastro e esperei ansiosa para trazer meu filho. Temos que agradecer a ciência e ao SUS. Foi uma decisão familiar vacinar a todos”, ressaltou Renata Goya, promotora de Justiça, que levou seu filho José Goya, de 9 anos, para vacinar. “Não tive medo e sempre quis vacinar”, completou ele.

A bióloga Cláudia Bitencourt também levou o filho, Mateus Bitencourt, de 9 anos, para vacinar. “Já estava esperando ansiosa para trazê-lo. Fiz seu cadastro no primeiro dia. Nós sempre nos vacinamos, confiamos na ciência e nunca pensamos o contrário”, descreveu. Mateus ressaltou que a vacina “só ajuda” e que todas as crianças devem tomar a dose. “Não machuca e vai ser bom para nossa saúde”.

Família vacinada

Ao levar seu filho Guilherme Garcia, de 10 anos, para vacinar, Fábio Martins contou que perdeu amigos para a doença e que sua esposa, ao contrair a Covid, teve sintomas leves porque estava vacinada. “Tive o melhor exemplo em casa e estava na esperança de quando chegaria a vacina ao meu filho”.

Para Alan Balero a vacina é a melhor alternativa contra doença. “Trouxe minha filha de 11 anos hoje (Isabela Balero) e vou trazer nesta semana as outras duas de 8 e 7 anos. Tem muita informação para confundir, mas a carteira de vacinação das minhas filhas está completa, não seria diferente agora”.

Luiz Postingher contou que desde terça-feira (18) já estava tentando vacinar sua filha Maria Eduarda, 10, e que desta vez conseguiu cumprir a missão. “Todo mundo em casa vacinou, então minha filha não ficaria para trás. Só estava esperando sua vez. Meus outros filhos mais velhos também já vacinaram”.

Rosenilda Barbosa, que levou sua filha Maria Eduarda, de 9 anos, lembrou que esta vacinação é importante, porque no mês que vem tem o retorno das aulas. “As crianças vão voltar para escola protegidas e seguras contra o vírus”. Já Otávio Ribeiro citou que vai levar a família para praia no final do mês e só faltava seu filho Gabriel Ribeiro, de 11 anos, receber a vacinação. “Dia 28 seguimos para Fortaleza, com toda família vacinada, minha esposa que é da saúde já recebeu a quarta dose”.

O governador Reinaldo Azambuja sempre incentivou a vacinação e até mobilizou mutirões nos municípios para ampliar a imunização. Ele sempre defendeu o lema que “lugar de vacina é no braço, e não na geladeira”.