Dourados-MS,

Governo aprova construção de 1ª usina de biomassa em MS

MS terá primeira usina de energia sustentável e ambientalmente limpa - Foto: Ascom Eldorado Brasil MS

Outras Cidades
Fonte
  • Extra-Pequena Pequena Media Grande Extra-Grande
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

A Empresa Eldorado Brasil, do Grupo J&F recebeu no início da semana, licença ambiental para instalação da usina de biomassa (termelétrica), que produzirá energia com a queima de cavacos de madeira, em Três Lagoas.

O investimento será de R$ 320 milhões e a estimativa é gerar mil empregos diretos no município. A autorização foi emitida pelo Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) e a capacidade de geração da usina será de 50 megawatts de energia. 

 Conforme apurado pelo JP News, o novo empreendimento oferecerá maior autonomia à Empresa, que já tem uma ampliação de capacidade em andamento. Outro projeto que será retomado é a produção de uma 2ª linha de celulose, projeto iniciado em 2017 e que está paralisado. 

SOBRE AUTORIZAÇÃO

O documento autorizativo foi entregue na terça-feira (22), pelo secretário  Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, e o diretor presidente do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), Ricardo Eboli. 

De acordo com o titular da Semagro, a usina deve começar a ser construída em março e será a primeira usina geradora de energia a partir de biomassa de eucalipto a entrar em operação em Mato Grosso do Sul, fato que inaugura uma nova fase na silvicultura estadual.

O projeto é importante para a base de diversificação de uso dos restos florestais, como folhas, raízes, cascas, demais subprodutos da madeira que não serve para produzir celulose. “É o primeiro grande projeto a partir de biomassa de eucalipto que começa a ser instalado no Estado”, comemora Verruck.

Segundo informado pelo coordenador de Sustentabilidade da Eldorado Brasil, Fábio José de Paula, a previsão inicial era instalar a usina no município de Selvíria, porém, estudos  apontaram que o local ideal para o empreendimento seria Três Lagoas, o que levou a empresa a solicitar nova licença ambiental. 

 

Correio do Estado