Dourados-MS,
PRINCIPAL OK

Os dois homens assassinados na noite de domingo (5/4) no Jardim Carisma, em Dourados, foram atingidos, no total, por 12 disparos de pistola 9mm. O caso ocorreu por volta das 18h30 em frente a um bar localizado no cruzamento das ruas Antônio do Amaral e João C. Martins. 

Conforme apurado pelo Dourados News, o auxiliar de pedreiro Ricardo Pereira de Souza, 36, morador no Jardim Canaã I, acabou morto com 11 tiros em várias partes do corpo, enquanto o mecânico Luciano Deonízio Chagas, 30, residente no bairro Estrela Pytã, foi atingido nas costas. 

De acordo com testemunhas, ambos estavam no estabelecimento quando dois homens chegaram em uma moto. 

O carona desceu e começou a atirar. Luciano ainda tentou correr para o interior do comércio, que funciona anexo a uma casa, porém, caiu já sem vida pouco depois de passar pelo portão. 

A polícia investiga o caso e ainda não há informações sobre os motivos do duplo homicídio. 

A Polícia Civil elucidou o homicídio cometido na noite de sábado (4) na favela Santa Felicidade, na região do bairro Estrela Verá, em Dourados. A investigação preliminar indica que o homem morto a pauladas foi atacado pelo próprio filho ao tentar defender a esposa, grávida, que também foi agredida.

De acordo com o delegado Erasmo Cubas, os detalhes do crime foram apurados a partir do depoimento de Marinalva Benites, de 37 anos, que está hospitalizada, mas em bom estado de saúde. A investigação agora vai buscar mais elementos para comprovar a versão dela.

Ela relatou que estava fazendo janta quando o filho, de 20 anos, já identificado pela polícia, pediu cachaça. Diante da negativa, pegou um pedaço de pau para agredi-la. Foi quando o pai, Vilson Paulo, de 41 anos, tentou defender a esposa e foi agredido na cabeça por golpes desferidos com um pedaço de madeira. Ele morreu no local.

Na casa onde ocorreu o crime, moram Marinalva, o Vilson, o filho, a nora e três netos, crianças de 11 e 7 anos e um bebê.

Quando a polícia chegou ao local do crime, o suspeito, sua esposa e o filho de 11 anos não estavam. E o bebê foi encontrado no meio do mato, enrolado em uma coberta, chorando.

O bebê e a outra criança, de 7 anos, foram para o Conselho Tutelar.

Por volta das 15h40 desta segunda-feira (31), na Rua Uirapuru com a General Osório, no BNH 4º Plano, casal foi preso após furtar uma mercearia.

De acordo com informações registradas no boletim de ocorrência, uma mulher de 65 anos estava no local quando os dois chegaram e começaram a conversar sobre os produtos.

Em seguida atravessaram a rua e ficaram olhando para o comércio. Após isso, o homem, identificado como Junior Cesar, retornou e se aproximou do balcão.

Ele pegou a bolsa da mulher de 65 anos, contendo documentos, cartões, talões de cheque e R$ 310 em dinheiro.

O casal fugiu e a vítima acionou uma equipe da Polícia Militar, que deteve os dois distante alguns quarteirões do local.

Foram detidos e autuados por furto, Julio Cesar e a sua esposa grávida, Ana Claudia, 20 anos.

Na tarde desta terça-feira (17), por volta das 15h30, a Polícia Militar autuou homem de 35 anos, operador auxiliar de usina elétrica, por estupro de vulnerável. A ação aconteceu na Rua João Borges, no Bairro João Paulo II, em Dourados. 

Segundo o boletim de ocorrência registrado na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac), a vítima, uma menina de 11 anos, saiu para comprar bala e demorou para voltar. Ao chegar em casa, a mãe questionou o motivo da demora e no primeiro momento, a criança disse que não tinha acontecido nada.

A mãe, percebendo que a filha estava assustada, chamou ela para conversar novamente. Foi quando a vítima afirmou que o vizinho havia pegado ela pelo braço, levado para casa e feito “coisas” nela.

Logo em seguida, a mãe verificou e percebeu que a genital da criança estava avermelhada e constatou que havia um “líquido branco” no shorts dela.

A Polícia Militar foi acionada e o homem foi detido por estupro de vulnerável e levado para a Depac. Em depoimento, ele negou o abuso, porém disse que realmente pegou no braço da menina e que, apenas, deu um trocadinho para ela comprar doce.

A vítima foi encaminhada para a Delegacia de Atendimento à Mulher de Dourados e posteriormente para o Hospital Universitário (HU) a fim de coletar o material que estava nas pernas e no órgão genital.

Para a reportagem do Dourados News, a delegada Paula Vieira dos Santos, responsável pela delegacia, relatou que aguarda o laudo médico para confirmar se houve rompimento de hímen da vítima.

Uma comerciante de 30 anos registrou um boletim de ocorrência na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac), em Dourados, após desconhecidos estourarem a porta de blindex da sua loja.

O caso ocorreu na Galeria Antônio Carlos, localizada na Avenida Presidente Vargas, região central do município.

O furto aconteceu na madrugada de terça-feira (31). 

De acordo com a ocorrência, os assaltantes levaram três aparelhos celulares do interior da loja. O caso é investigado. 

O médico Renato Oliveira Garcez Vidigal, ex-secretário municipal de Saúde, obteve decisão favorável na Justiça e deverá ser solto. Ele foi preso no dia 6 de novembro de 2019, acusado de corrupção na segunda fase da Operação Purificação, que investiga supostas fraudes licitatóris e desvios de recursos públicos, e está na PED (Penitenciária Estadual de Dourados).

Na noite de segunda-feira (23), às 20h10, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) comunicou que o ministro Nefi Cordeiro, relator da Sexta Turma, concedeu a medida liminar pleiteada pela defesa do réu, encampada pelos advogados João Arnar Ribeiro, Neli Bernardo de Souza e Leonardo Alcântara Ribeiro.

Ao Dourados News, João Arnar informou que aguarda a expedição de alvará de soltura ainda nesta terça-feira (24). Detalhou ainda que antes mesmo do STJ, o próprio juízo da 1ª Vara Federal de Dourados já havia concedido o regime domiciliar para o ex-secretário.

A defesa de Vidigal recorreu ao STJ contra decisão da 11ª Primeira Turma do TRF 3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), que em sessão de julgamento realizada no dia 30 de janeiro negou habeas corpus por dois votos a um.

Naquela ocasião, o desembargador federal José Lunardelli foi favorável a conceder liberdade por entender que as medidas cautelares alternativas à prisão revelam-se suficientes e adequadas para impedir eventual interferência do paciente na instrução criminal.

Contudo, foi voto vencido porque o desembargador Nino federal Toldo acompanhou o relator, Fausto De Sanctis, para quem “a prisão fundamenta-se como forma de impedir que o acusado venha a perturbar ou impedir a produção de provas, ameaçando testemunhas, apagando vestígios do crime ou destruindo documentos”.

Agora, minutos após comunicar a concessão da liminar para liberdade do ex-secretário municipal de Saúde, o STJ também determinou expedição de Ofício nº 023142/2020-CPPE ao Tribunal Regional Federal da 3ª Região comunicando decisão.

Uma mulher de 44 anos procurou a polícia para denunciar quebra de medida protetiva. Segundo ela, seu ex-amásio, de 44 anos, que está proibido de qualquer aproximação com ela, esteve na frente de seu trabalho e também da sua residência.

Segundo a ocorrência, na proximidades de sua casa ela foi abordada quando saiu para ir ao mercado. Nesse momento, de acordo com o a vítima, o ex-amásio teria feito a seguinte ameaça: “Quero falar com você e caso se negue, as coisas vão ficar pior para você”.

Ao ser acionada, a polícia fez ronda nas proximidades e consegui localizar o acusado que que tentou negar, relatando que teria apena ido levar um cachorro em uma casa próxima. Com base nas denúncias de importunações sofridas pela vítima e que seriam ocorrentes, ele foi preso e conduzido até a delegacia de polícia.

Mais Artigos...