Dourados-MS,

Cães Farejadores da PRF - Foto - Divulgação

Cães farejadores localizaram 119,5 quilos de cocaína escondidos em fundos falsos nos tanques de combustível  de três caminhonetes Toyota Hilux na tarde de ontem, em Campo Grande. A apreensão, feita pela Polícia Rodoviária Estadual (PRF), ocorreu na altura do quilômetro 370 da BR-060. Os motoristas, 31, 47 e 33 anos, foram presos em flagrante.

Segundo nota, após denúncia, os PRFs abordaram os três veículos e desconfiaram de alteração nos tanques. Por este motivo, foi acionado o Grupo de Operações com Cães (GOC) para que os animais pudessem farejar a droga. Ao todo, o cães treinados encontraram 35 tabletes e cada uma das caminhonetes, totalizando 11,5 quilos de cocaína. 

Os suspeitos confessaram terem pego os veículos carregados, sendo uma na cidade de Dourados com destino a Campo Grande, e duas em Ponta Porã com destino Campo Grande e Jaraguari. Os motoristas, os veículos e a droga foram encaminhados para a Superintendência Regional da Polícia Federal de Campo Grande.

 

Correio do Estado

Caso foi registrado na Depac Centro - Foto: Arquivo/Correio do Estado

Idoso de 74 anos foi encontrado morto, amarrado à sua própria cama e com sinais de ter sido brutalmente espancado, na tarde deste domingo (30), no Jardim Inápolis, bairro que fica no núcleo industrial de Campo Grande, na região oeste.

De acordo com a Polícia Civil, o corpo de Gabriel Ricaldes foi encontrado por um dos filhos, que foi almoçar em sua casa e estranhou o fato dele não atender o portão. Ao invadir a casa, encontrou o cadáver.

Ricaldes, de acordo com a polícia, pode ter sido torturado.

Segundo os investigadores da delegacia de plantão da região central, onde o caso foi registrado, um dos vizinhos revelou que a vítima chegou a ligar para pedir socorro, mas não respondeu por não entender a seriedade do que estava acontecendo.

A principal linha de apuração é a de latrocínio (morte em assalto). Por isso familiares faziam levantamento até a publicação desta reportagem para saber se faltava algo de valor no imóvel. Ninguém fora preso ou identificado por participação no crime.

 

Correio do Estado

Foto: Bruno Henrique

Uma menina de três anos morreu, na manhã desta quinta-feira (27), no dia em que fazia aniversário e outras três pessoas ficaram feridas após o incêndio que ocorreu na manhã no bairro Center Park, em Campo Grande. A menina chegou a ser socorrida pelo Corpo de Bombeiros e Samu ainda no local, mas não resistiu. Outras vítimas foram levadas para a Santa Casa.

Conforme as informações do tenente dos  bombeiros Hamad Ali Aziz, no momento em que as chamas começaram estavam na casa, localizada na Rua Aurélio Leonardo de Souza, a menina, de três anos e a mãe dela. Uma pastora evangélica, que é proprietária da residência, e uma adolescente de 12 anos, filha da líder religiosa.

O corretor de imóveis, Silvio Haikawa, que mora na casa ao lado, foi o primeiro a pular o muro do imóvel em chamas para tentar ajudar as vítimas. Outro vizinho entrou no local em seguida. Com o auxílio de um martelo eles arrombaram o portão e foram retirando as pessoas que estavam lá.

Mas, no momento de desespero, não sabiam que ainda havia uma menina na casa. Os bombeiros e os socorristas do Samu já estavam a caminho e conseguiram retirar a garota. Ela foi atendida dentro de uma viatura, porém, não resistiu e morreu antes mesmo de ser levada para o hospital.

Todas as outras vítimas foram encaminhadas para a Santa Casa.  O estado de saúde da adolescente e da pastora é considerado grave. A outra vítima inalou fumaça e teve ferimentos mais leves.

MOMENTOS DE DESESPERO

E foi justamente esta mulher quem pediu socorro, conforme conta Haikawa. Ele e a mulher ouviram gritos de socorro e saíram para ver o que estava ocorrendo. Neste momento, ele viu a vítima ferida e gritando “pelo amor de Deus para abrir o portão”. A preocupação era a retirada de um botijão de gás que poderia explodir.

CAUSAS DO INCÊNDIO

Ainda não há informações sobre as causas do incêndio. Quando o socorro foi acionado, a informação preliminar era a de que as causa era criminosa. Os militares identificaram que um dos vizinhos cedia energia elétrica para a casa da líder religiosa, mas nenhuma “gambiarra” ou ligação clandestina foi identificada. As polícias Militar e Civil, além da perícia técnica também foram chamadas e investigam as circunstâncias do caso.

 
(Bruno Henrique/Correio do Estado)
 
 
Correio do Estado
 

O benefício não vale para outros servidores - Foto: DIVULGAÇÃO

Seis meses após tentativa de criar mais um benefício para juízes e desembargadores de Mato Grosso do Sul, o “auxílio transporte”, o Tribunal de Justiça do Estado (TJMS) decidiu conceder “benefício de assistência médico-social” para todos os magistrados, ativos e inativos. O aumento de 200% no auxílio saúde vai representar acréscimo de 9,99% no salário inicial do magistrado, que varia de R$ 26.734,73 a R$ 30.471,11.

Mas a Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Mato Grosso do Sul (OAB-MS), considera ilegal a Resolução n° 209, de 17 de agosto de 2018, publicada hoje no Diário da Justiça. “Vamos pedir informações para ver se isso realmente vai ser aplicado e aí vamos adotar as medidas cabíveis. Fizeram alteração na Lei Orgânica da Magistratura por meio de Resolução, isso é ilegal. No nosso ponto de vista só poderia ser alterada através de outra lei”, explica o presidente da entidade Mansour Elias Karmouche.

A texto assinado pelo presidente do TJMS, desembargador Divoncir Schreiner Maran, considera os termos da Resolução n° 207, de 15 de outubro de 2015, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), cujo o teor dispõe sobre a Política de Atenção Integral à saúde de magistrados e servidores do Poder Judiciário. E também “o congelamento dos subsídios da magistratura pelo Governo Federal há aproximadamente quatro anos”.

Além de “ser notório os constantes reajustes dos planos de saúde e que estes, para a manutenção do equilíbrio econômico-financeiro de seus contratos, utilizam-se de meios para reajustá-los por mudança de faixa etária, onerando excessivamente os usuários ao longo do tempo”.

Com isso Maran resolveu alterar a redação do art. 1º da Resolução nº 33, de 2 de dezembro de 2009, passando a vigorar nos seguintes termos: “Art. 1º O benefício de assistência médico-social, previsto no artigo 255-A da Lei n. 1.511, de 15 de julho de 1994, será concedido aos magistrados ativos e inativos, bem como aos seus pensionistas, na forma de auxílio pecuniário, de caráter indenizatório, no valor correspondente de até 15% do valor do subsídio ou do provento do magistrado ou da pensão, observada a disponibilidade orçamentária e financeira.” 

A resolução entra em vigor a partir da data de publicação e não é válida para os servidores do TJMS, apesar de nas considerações o presidente ter citado resolução do CNJ que também atinge os trabalhadores do Poder Judiciário.

“A Lei Orgânica prevê o agamento de auxílio saúde, mas no caso de comprovação de uso entre 5% e 15%. Agora estão dando indiscriminadamente, de forma isonômica e linear para todo mundo. Vão receber em dinheiro”, disse Karmouche.

“AUXÍLIO TRANSPORTE”

Em fevereiro deste ano, após repercutir de forma polêmica em todo o Estado, o projeto que criava o “auxílio transporte” para servidores do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) foi retirado da pauta na Assembleia Legislativa. Na época a Casa de Leis informou que a retirada foi feita após pedido informal dos próprios desembargadores, sob justificativa de que farão correção e alteração de informações.

O Tribunal, por sua vez, negou que tenha feito qualquer solicitação.

O presidente da Assembleia Junior Mochi (PMDB)  informou, sem revelar maiores detalhes, que recebeu uma ligação na qual foi solicitada a retirada do projeto da pauta. “Eles ligaram porque tem algumas correções e alterações para fazer. Pediram para sobrestar até ver o que é para fazer”.

Caso aprovado pelos deputados estaduais e depois sancionado pelo governador Reinaldo Azambuja (PMDB), o valor do “auxílio transporte” corresponderá a 20% do subsídio recebido pelos servidores do judiciário, podendo variar de R$ 4.702,53 a R$ 6.094,22. 

Em relatório anexo ao projeto, o Departamento de Orçamento e Contabilidade e a Secretaria de Finanças da Corte Estadual estima que o impacto orçamentário-financeiro desse benefício no orçamento do Fundo Especial para Instalação, Desenvolvimento e o Aperfeiçoamento das Atividades dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais (Funjecc), uma das fontes de recursos do Poder Judiciário, será de R$ 3,6 milhões e R$ 5,5 milhões.

“O projeto do auxílio foi retirado. Tem decisão do Supremo (Tribunal Federal - STF) que não pode ser pago mensalmente, por incorporação ao salários”, explicou o presidente da OAB.

 

Correio do Estado

Na última semana, esquema com papel alumínio foi descoberto por policiais militares - Foto: Divulgação/Batalhão de Choque/PM-MS

 Polícia Militar prendeu, na manhã desta quinta-feira (27), em Campo Grande Maycon da Silva Rodrigues. Ele, que usava uma tornozeleira eletrônica, tentou burlar o sistema utilizando uma gambiarra com papel alumínio. É o terceiro caso do tipo em apenas um mês.

Conforme as informações divulgadas pela Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen),  a interrupção do sinal foi descoberta na noite de ontem. Após ser acionada, a Polícia Militar foi até a casa de Rodrigues, mas ele não foi encontrado.

Quando isto ocorre, o monitorado passa a ser considerado foragido e, quando encontrado, volta a cumprir pena em regime fechado. É o que ocorreu com Rodrigues na manhã desta quinta-feira.

OUTROS CASOS

Na semana passada, dois presidiários burlaram o sinal de GPS dos aparelhos colocando um pedaço de papel alumínio, um acabou morto em confronto com a Polícia Militar e outro foi preso.

À época, a Agepen já havia adiantado que, estava analisando possíveis ajustes técnicos nas tornozeleiras eletrônicas usadas em detentos de Mato Grosso do Sul. “Em ambos casos, o sistema de monitoramento acusou a ausência de sinal GPS e foi informado à autoridade competente. Inclusive em um deles foi comunicado a evasão antes mesmo de ser efetuada a prisão”, informaram em nota divulgada na ocasião.

Em outra nota divulgada hoje, a  Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário informou que, “determinou à empresa responsável pelo fornecimento e manutenção dos equipamentos providências para evitar qualquer tipo de fraude no sistema”.

 

Correio do Estado

Carro em que o médico estava

O médico envolvido no acidente que matou Márcia Martins Honório, na madrugada de domingo (2), é sócio de uma empresa médica que presta serviço ao Detran (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul). Edson de Arruda Alves, de 69 anos, acabou preso por embriaguez após colidir no carro em que a vítima estava na BR-163.

Especialista em ginecologia, Edson aparece no Diário Oficial de Mato Grosso do Sul como sócio da clínica Medtrans, empresa prestadora de serviços para a realização de exames de aptidão física e mental do Detran há cerca de 10 anos. 

Em maio, uma nova portaria, também publicada no Diário Oficial, credenciou a Medtrans por mais um ano como prestadora de serviço ao Detran. Na publicação, o nome de Edson está entre a lista de médicos autorizados ao serviço até o dia 30 de setembro de 2019.

O médico acabou preso em flagrante por embriaguez logo depois do acidente. O teste do bafômetro foi feita e contatou 0,71 miligramas de álcool por litro de ar, valor muito acima do permitido para que o caso não seja crime. Na delegacia, Edson confessou ter bebido “duas cervejas na casa de um amigo”.

Segundo a defesa do médico, composta pelos advogados Andrea Flores e o Luiz Henrique Camargo, apesar da embriaguez confirmada, o acidente aconteceu pela falta de visibilidade do motorista, já que no momento da colisão chovia.

Para a reportagem, Flores explicou que o cliente voltava da casa de um amigo, e resolveu ultrapassar uma carreta bitrem. Ao terminar a manobra e voltar para a pista de sentido a saída de Três Lagoas, atingiu o Fiat Punto, onde a vítima estava. “Ele não viu o carro, quando terminou a manobra e voltou para a pista encostou no Punto”, afirmou a advogada.

Segundo a versão do médico, a Mercedes C230 que conduzia também rodou na pista e atingiu uma carreta que seguia na frente das vítimas. Ainda conforme a defesa, Edson está prestando toda assistência a família da vítima.

Ainda conforme a advogada, o médico vai esperar pela audiência de custódia, que acontece na manhã desta segunda-feira (3).

Caso - De acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federal), o médico conduzia uma Mercedes Benz Sedan em sentido a saída de Três Lagoas quando atingiu a traseira do Fiat Punto, onde estavam a vítima e o namorado, de 37 anos. Com a colisão o veículo rodou e saiu da pista, parando às margens da rodovia.

Ainda conforme os policiais que atenderam a ocorrência, a velocidade da Mercedes era tanta, que mesmo com o acidente o médico não conseguiu parar e atingiu uma carreta que seguia na frente do carro das vítimas.

O motorista da Punto - que não teve no nome divulgado - foi socorrido com ferimentos leves, mas Márcia, que era passageira, morreu no local do acidente.

 

 

Campo Grande News

Corpo foi encontrado em cela da Máxima - Foto: Arquivo/ Correio do Estado

Detento, de 34 anos, foi encontrado morto na manhã de hoje, dentro da Penitenciária de Segurança Máxima Jair Ferreira de Carvalho, em Campo Grande. Ismael Ferreira Araújo estava preso numa cela com outros 12 internos que tem problemas psiquiátricos.

De acordo com boletim de ocorrência registrado, a vítima estava na cela 102, galeria B, pavilhão 4. O corpo de Ismael foi encontrado por volta das 8h30, quando agentes penitenciários foram até o local, que fica na área de saúde do presídio. Não há detalhes sobre a situação em que o corpo estava.

Ainda segundo o registro, uma equipe da Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Piratininga foi chamada, junto com policiais do Grupo de Operações e Investigações (GOI), além de peritos, estiveram no presídio para investigar o caso, registrado como morte a esclarecer.

Mais Artigos...