Dourados-MS,
BANNER 2 - camara-ddos-27 -(1000x90)

Morreu na noite de quinta-feira (9) o jovem yanomami, de 15 anos de idade, que testou positivo para a covid-19 e havia sido internado no Hospital Geral de Roraima (HGR), em Boa Vista. Desde sexta-feira (3) ele recebia cuidados em um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

De acordo com o Distrito Sanitário Especial Indígena Yanomami (Dsei), que atende a região, ele era natural da aldeia Rehebe, nos domínios da Terra Indígena Yanomami, mas passou a residir no município de Alto Alegre, a 87 quilômetros (km) da capital. O motivo da mudança para a Terra Indígena Boqueirão foi dar continuidade aos estudos do ensino fundamental. Ainda segundo o Dsei, o adolescente morava com uma liderança indígena.

Quando o jovem apresentou os primeiros sintomas da covid-19 foi atendido no Hospital Municipal de Alto Alegre. Posteriormente, foi encaminhado ao HGR, já com um um quadro de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Ele refez o teste para diagnóstico da covid-19 e somente a contraprova detectou a infecção.

Subnotificação

Entidades de defesa da causa indígena, como o Instituto Socioambiental (ISA) e o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) têm denunciado a subnotificação de casos da covid-19 e demonstrado preocupação quanto ao que isso pode representar de risco para as comunidades. Ambas alertam que ao menos outros dois indígenas contaminados pelo novo coronavírus já foram a óbito e que o governo federal não registrou as ocorrências no balanço. Os indígenas eram uma mulher da etnia borari, de 87 anos, que morreu em Alter do Chão, no município de Santarém (PA), e o outro era um homem de 55 anos, do povo Mura, morto em Manaus.

Os óbitos ocorreram, respectivamente, no dia 19 de março e 5 de abril. As circunstâncias do falecimento da borari, considerada uma guardiã local, motivaram o Ministério Público Federal (MPF) a instaurar um inquérito no último dia 2.

Em comunicado divulgado ontem (9), o Cimi disse que a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) não contabilizou as duas mortes por se tratar de indígenas que vivem em contexto urbano.

Na quarta-feira (8), o Ministério da Saúde informou que a Sesai, responsável pelos Dsei, ainda não havia sido oficialmente comunicada pelos órgãos responsáveis sobre o caso do yanomami. O ministério acrescentou que o Dsei tomou conhecimento "por iniciativa própria", por meio da Vigilância Epidemiológica.

A Fundação Nacional do Índio (Funai) disse que a Sesai não havia confirmado o caso.

Até ontem (9), o relatório do Ministério da Saúde relacionava 24 casos suspeitos da covid-19 entre a população indígena, três a mais do que no dia anterior. Já as ocorrências descartadas passaram de 27 para 31.

Jovem usa fio de celular e coleira de cachorro para matar namorada adolescente, em Sidrolândia (MS). — Foto: Facebook/Reprodução

Foi encontrado na manhã dessa segunda-feira (1º) o corpo da adolescente Jheniffer Cáceres de Oliveira de 17 anos, morta pelo namorado, Paulo Eduardo dos Santos, de 18. O crime aconteceu no último sábado (30), em Sidrolândia, 

De acordo com o delegado Diego Dantas, o rapaz usou um fio de celular para tentar esganá-la. Quando não conseguiu, usou uma coleira de cachorro para apertar o pescoço da adolescente, matando-a.

Segundo Dantas, o suspeito teria discutido com a namorada em um bar e que ao chegar em casa, as discussões continuaram. Ele disse à polícia que a mulher teria jogado um cabo de vassoura nele e usado uma faca para ameaçá-lo. "O rapaz confessou o crime e alega legítima defesa", afirma o delegado.

Dantas relatou ainda que o suspeito dormiu ao lado do corpo desde a madrugada do último sábado. O corpo só foi descoberto nesta segunda-feira porque vizinhos sentiram mau cheiro na residência do casal e acionaram a polícia. 

Residência em jovem matou adolescente usando uma coleira de cachorro, em Sidrolândia (MS). — Foto: Divulgação/Polícia Civil

Residência em jovem matou adolescente usando uma coleira de cachorro, em Sidrolândia (MS). — Foto: Divulgação/Polícia Civi

O homem foi preso na tarde desta segunda-feira perto da residência. Ele responderá pelos crimes de feminicídio e ocultação de cadáver. O delegado afirmou que, até o momento, o suspeito não possui advogado para representá-lo.

 

G1 MS

O caso aconteceu em fazenda no município de Bandeirantes - Foto: Divulgação

Filho está em estado de choque por ter atirado no pai, acidentalmente, enquanto os dois caçavam javalis, o acidente aconteceu no município de Bandeirantes. De acordo com o boletim de ocorrência, o pai entrou na mata para tocar a manada de porcos para que os animais fossem de encontro ao seu filho, que estava com espingarda tipo cartucheira, e nesse instante, o rapaz atirou e atingiu Nelson Kreulich de 59 anos.

O acidente aconteceu na tarde do último domingo, às 15h a vítima foi levada para a Santa Casa de Campo Grande, porém, como foram várias tiros, Nelson não suportou os ferimentos e veio a óbito às 17h30. 

Ainda de acordo com o boletim de ocorrência, o filho da vítima percebeu a movimentação na mata e achou que eram porcos, mas era seu pai. Neste momento, a vítima foi atingida por tiros no braço esquerdo, antebraço esquerdo, tórax, pescoço e coxa esquerda. O pai teve que passar por cirurgia, mas não resistiu. O caso foi registrado na Delegacia de Pronto Atendimento (Depac) Centro como porte ilegal de arma de fogo de uso proibido, homicídio culposo e lesão corporal culposa.

 

Correio do Estado

Foto - Divulgação

A Polícia Federal localizou neste domingo (17) em Três Lagoas um depósito de cocaína utilizado por traficantes de drogas e apreendeu 954 quilos de cocaína. É a maior apreensão desse tipo de entorpecente no ano.

Na operação, a PF também prendeu seis membros da organização criminosa e apreendeu quatro veículos utilizados para a entrega no entorpecente.

Além da grande quantidade de droga, acondicionada em tabletes, todos os presos foram conduzidos para a Delegacia da PF na cidade.

A operação se estendeu por todo o fim de semana, desde a sexta-feira (15), quando os policiais federais receberam informações anônimas sobre traficantes.

De posse das informações, equipe de policiais empreenderam diligências na região da BR-158, onde tiveram êxito em desmantelar organização criminosa dedicada ao comércio de cocaína.

A exitosa ação da PF consistiu na localização de um depósito, onde a organização armazenava o entorpecente, que era trazido de Campo Grande para ser levado até a cidade de São Paulo (SP), passando por Três Lagoas.

Ao entrar no depósito, que fica às margens da BR-158, confirmando o flagrante, os policiais federais prenderam seis acusados - dois motoristas autônomos, um comerciante e três auxiliares de serviços gerais de um dos presos - e encontraram os veículos usados pelo bando - três caminhões e um carro de passeio.

Todos os presos eram sul-mato-grossenses.

 

Coreio do Estado

Crime aconteceu às 14h deste domingo. - Foto: Foto: Ponta Porã Informa/ Divulgação

Bruno Pereira de Souza, de 34 anos, mais conhecido como Fortaleza, foi morto com 24 tiros de pistola 9 milímetros, quando chegava na casa da namorada, na tarde deste domingo (24). O crime aconteceu na rua dos Cedros, no bairro São João, em Ponta Porã.

A vítima estava em uma caminhonete Toyota Hilux de cor branca, com placas de Ponta Porã, quando ao chegar em frente a casa da namorada e parar o veículo na calçada, foi surpreendido por pistoleiros, que dispararam 24 vezes em direção a caminhonete. Bruno era de Natal, Rio Grande do Norte.

Os suspeitos estavam em um carro de cor branca. Segundo informações do Capitan Bado, Bruno morreu antes de ser socorrido. Policiais Militares foram acionados, isolaram a área e comunicaram o caso aos investigadores do SIG (Setor de Investigações Gerais) e agentes da Polícia Técnica.

A execução pode ter relação com um ajuste de contas do crime organizado que atua na fronteira com o Paraguai. Porém, os policiais não descartam nenhuma hipótese. O corpo foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) e aguarda para ser reconhecido pelos familiares. 

 

Correio do Estado

A droga foi encontrada em um compartimento falso do caminhão. (Foto: Divulgação)

Policiais militares de Fátima do Sul apreenderam no final da tarde desta terça-feira 537 quilos e 200 gramas de cocaína a droga estava sendo transportada em um caminhão de ração animal e três pessoas foram presas.

Os policiais localizaram no caminhão um compartimento falso onde a droga estava escondida. Para a retirada dos tabletes com entorpecente foi necessária a utilização de equipamentos para corte do Corpo de Bombeiros.

Esta foi a segunda grande apreensão de cocaína em menos de três dias no Mato Grosso do Sul. No domingo a Polícia Federal apreendeu uma tonelada da droga em um deposito em Três Lagoas, totalizando mais de uma tonelada e meia de da droga tirada de circulação nas últimas horas.

 

MS em Foco

Pneus e cigarros foram apreendidos - Foto: Divulgação / PMRv

A Polícia Militar prendeu três de seus policiais, da base da Polícia Militar Rodoviária de Ponta Porã, suspeitos de praticar o crime de corrupção passiva. Outros cinco pessoas - civis - foram detidos, pelos crimes de descaminho e corrupção ativa. 

Os policiais são suspeitos de participação em esquema de contrabando. A Polícia Militar não informou qual o material contrabandeado, mas informações apuradas pela reportagem dão conta de que são pneus, cigarros entre outras mercadorias de origem estrangeira.

Desde o ano passado, dezenas de policiais foram presos por suspeitas de participação no contrabando de cigarros paraguaios para todo Brasil. Os PMs facilitavam a passagem destas mercadorias. 

Em nota, a Polícia Militar informou que “não compactua com nenhum tipo de desvio de conduta por parte dos seus integrantes. Se comprovada a irregularidade, as medidas cabíveis serão tomadas pela Corregedoria Geral da PM no rigor da lei e os envolvidos responsabilizados administrativo e criminalmente”.

Os nomes dos envolvidos, nem tampouco as circunstâncias das prisões, não foram informadas pela Polícia Militar.

 

Correio do Estado

Mais Artigos...