Dourados-MS,
BANNER 1 - Camra-15-09- (1000X90)

Os candidatos já matriculados ou não em instituição de ensino superior, onde pretendem receber uma das bolsas remanescentes do programa Universidade para Todos (ProUni), têm até quarta-feira (30) para fazer inscrição na página do programa. São 90 mil bolsas não preenchidas no processo seletivo regular para o segundo semestre de 2020.O ProUni oferece bolsas de estudo integrais e parciais em instituições privadas de educação superior, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica a estudantes brasileiros sem diploma de nível superior.

Pré-requisitos

Pode participar quem cursou o ensino médio na rede pública ou na rede particular, na condição de bolsista integral. Também entram na lista dos contemplados estudantes com deficiência, professores da rede pública de ensino, no efetivo exercício do magistério da educação básica, além de integrantes do quadro de pessoal permanente de instituição.

Para concorrer às bolsas integrais, o candidato deve comprovar renda familiar bruta mensal, por pessoa, de até um salário mínimo e meio. Para as bolsas parciais (50%), a renda declarada deve ser de até três salários mínimos por pessoa.

Quem quiser participar do processo precisa ter feito alguma edição do Enem, a partir de 2010, e ter obtido, no mínimo, 450 pontos na média das notas do exame. Além disso, o candidato deverá ter tirado nota maior que zero na redação.

Nas últimas 24 horas, o Brasil confirmou mais 14.318 casos de pessoas infectadas pelo novo coronavírus. Na mais recente atualização dos números da doença no país, divulgada no fim da tarde deste sábado (27), o Ministério da Saúde também acrescentou 335 mortes ao total de óbitos em decorrência da covid-19.

Só no Brasil, a doença já tirou a vida de 141.741 pessoas. Entre o fim de fevereiro, quando o primeiro caso foi confirmado no país, e as 17h30 de hoje, 4.732.309 pessoas foram diagnosticadas com o novo coronavírus.

O número de pacientes que se recuperaram chega a 4.060.088, o que corresponde a quase 86% do total de pessoas infectadas – 530.480 pacientes continuam em acompanhamento médico.

Autoridades de saúde estaduais ainda investigam se 2.511 mortes suspeitas ocorreram em função da covid-19. Até ontem (26), havia 2.430 em apuração.

Segundo o ministério, a taxa de letalidade da doença em relação à população geral é de 3%. Ou seja, em cada 100 pessoas que adoecerem, três têm chances de morrer devido às complicações da covid-19.

Uma série de fatores pode contribuir para que o quadro de saúde de um paciente evolua para um caso grave ou resultar em morte. Idosos e quem tem pressão alta, doenças cardíacas, pulmonares, câncer ou diabetes costumam estar mais suscetíveis, devendo redobrar os cuidados.

As informações são fornecidas ao Ministério da Saúde pelas secretarias dos estados. Em geral, o número de notificações aos sábados e domingos tende a ser menor que ao longo da semana devido à demora no repasse dos dados.

Situação Epidemiológica da COVID-19 no Brasil em 27/09/2020
Situação Epidemiológica da COVID-19 no Brasil em 27/09/2020 - Divulgação/Ministério da Saúde

São Paulo

O estado mais populoso do país, São Paulo, registrou 231 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 35.108 óbitos e 972.237 casos confirmados desde o início da pandemia do novo coronavírus. Entre os diagnosticados, 831.468 pessoas se recuperaram, sendo que 106.621 passaram por internação até receber a alta hospitalar.

As taxas de ocupação dos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) são de 44,4% na Grande São Paulo e 45,6% no estado. O número de pacientes internados atualmente é de 9.062, sendo 5.089 em enfermaria e 3.973 em UTI. Todos os 645 municípios têm pelo menos uma pessoa infectada, sendo que 567 cidades registram um ou mais óbitos.

Rio de Janeiro

O estado do Rio de Janeiro registra, até hoje, 261.866 casios de covid-19 e 18.278 mortes pela doença. Há ainda 514 óbitos em investigação. Entre os casos confirmados, 238.609 pacientes já se recuperaram da doença.

O Programa Rastrear, criado com a finalidade de quebrar a cadeia de transmissão do coronavírus e identificar casos precocemente, entra em operação a partir desta segunda-feira (28), nos 79 municípios de Mato Grosso do Sul. Iniciativa do Governo do Estado, por intermédio da Secretaria de Estado de Saúde (SES), o Rastrear é mais uma ação de combate à Covid-19 no Estado.

Segundo o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, Mato Grosso do Sul será o único estado a fazer esse tipo de acompanhamento. “O Programa é uma nova estratégia que estamos lançando com o objetivo de diminuir a taxa de contágio. Essa ferramenta será muito importante para o enfrentamento da Covid-19 em nosso Estado”.

O Rastrear é uma plataforma de software totalmente desenvolvida pela SES, com a finalidade de agilizar o monitoramento e rastreamento de casos da Covid-19 e seus contatos. Assim, permitirá que os municípios identifiquem os pacientes elegíveis juntamente com seus contatos, para o monitoramento e realizem, regularmente, ligações com os mesmos e registrem o apurado sobre estado clínico, sintomas e demais informações no sistema.

O Programa foi desenvolvido em parceria com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e vai permitir que o Estado faça o rastreamento e identificação de forma precoce dos casos suspeitos ou casos confirmados de Covid-19.

“Vai permitir que tenhamos a localização e a identificação exata de quem são os contatos da pessoa contaminada. A partir dessa identificação, as equipes de saúde poderão elaborar estratégia de monitoramento diário sobre o aparecimento de sinais e sintomas da Covid", explica o consultor Epidemiológico da OPAS, Rodrigo Said.

Conforme o coordenador de Tecnologia da Informação da SES, Marcos Espíndola de Freitas, um profissional da saúde fará o monitoramento diário dos casos. “Os profissionais vão criar uma cadeia de relacionamentos, de contatos, onde o desafio maior será identificar o mais rápido possível uma pessoa contaminada”.

Assim, o Governo do Estado, por meio da SES, passa a ter um controle mais preciso quanto aos avanços da Covid-19, de forma eletrônica e controlado, a partir de computadores dos municípios. O Rastrear ainda terá a possibilidade de uso por meio de dispositivos móveis como celulares e tablets.

Todos os secretários e secretárias municipais de saúde já passaram por treinamentos. “E assim, esperamos que essa nova ferramenta possa desacelerar os casos da doença no Estado”, pontua o secretário.

Taxa de Contágio

Dados da Secretaria de Estado de Saúde apontam que a taxa de transmissão do coronavírus voltou a registrar aumento quanto ao índice contágio no Estado. A taxa vinha registrando um decréscimo nas últimas semanas, mas em virtude do feriado de 7 de setembro, muitas pessoas furaram o isolamento e a taxa voltou a subir.

“Em Mato Grosso do Sul, há uma certa resistência por parte da população quanto a questão do isolamento social. Nossos índices estão altos e a doença não passou. Ainda não temos o controle desta doença e uma nova onda pode surgir”, alerta o secretário.

A taxa de contágio indica quantas pessoas um paciente infectado consegue transmitir o coronavírus. Quando o indicador está abaixo de 1, há indícios de desaceleração do surto e, acima disso, ele tem tendência de alta. A taxa registrada no Estado oscila entre 1.3 e 1.6. “Essa taxa pode variar dia após dia. Esperamos que com esta nova ferramenta, o Rastrear, possamos ficar abaixo de 1 ponto”, finaliza Geraldo Resende.

Advertisement